segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Fazer o bem, sem olhar a quem


“Se você não tem recursos, construa assim mesmo; conte com a sua vontade, faça ações simples e contínuas, e tenha um profundo desejo por mudar para melhor a situação de quem está próximo a você”. Assim pensava Madre Teresa de Calcutá, um exemplo de mulher que viveu 87 anos e dedicou grande parte deles a ajudar os mais necessitados. Mesmo depois de 15 anos de sua morte, deixou por todo mundo seus ensinamentos e sua filosofia de vida que perduram até hoje.

A síntese da história dessa pequena grande mulher nos faz pensar sobre o que queremos para o mundo que vivemos e sobre o que fazemos para mudar o curso de nossa história. É pensar no planeta que deixaremos para as próximas gerações. O legado de Madre Teresa e ações de tantos outros, muitas vezes anônimos, inspiram as pessoas, ações e desejos. É preciso reacender a chama do voluntariado na sociedade, lembrar que o próprio testemunho (comportamento, atitude, conduta, ações e reações) fala mais alto que as palavras. E é esse o objetivo que o projeto social [hi] school - realizado pela Trilha – Cursos e Palestras – têm xdesenvolvido para despertar nos jovens o desejo pela mudança: de pensamento, hábitos, de vida, por meio da palestra “Deixando Marcas”.

Madre Teresa


 
Madre Teresa foi para a Irlanda (1928) estudar no Instituto da Bendita Virgem Maria. Pouco tempo depois embarcou para a Índia onde estudou Enfermagem. Lá, ela morou em favelas onde passou a cuidar dos pobres de Calcutá. Em 1948, ela fundou a Ordem das Missionárias da Caridade e passou a dar assistência aos necessitados como cegos, idosos, leprosos, aleijados e moribundos com a ajuda de voluntários. Por suas várias ações a favor dos excluídos, Madre Teresa recebeu vários prêmios como a medalha do senhor de Lótus (1963) pelo governo indiano. Por seu trabalho, Madre Teresa foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 1975, porém ganhou o prêmio somente quatro anos depois. Papa Paulo VI concedeu à Madre Teresa o primeiro Prêmio João XXIII da Paz em 1971. Depois de um ataque cardíaco em 1983, a saúde da madre foi se debilitando até que, em 1990, ela pediu licença da liderança da congregação. Madre Teresa de Calcutá morreu em 05 de setembro de 1997 em razão de problemas cardiorrespiratórios e foi beatificada pelo Papa João Paulo II em 19 de outubro de 2003.