quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Corrente Solidária


"O que você tem todo mundo pode ter, mas o que você é ninguém pode ser" (Clarice Lispector). Esse é o ponto de partida das palestras motivacionais promovidas pela Trilha, no projeto social [hi] School, que resgatam valores e potenciais únicos de cada jovem do Ensino Médio de escolas públicas e particulares, visando a construção de um mundo melhor.
As palestras levam os participantes a refletirem sobre como muitas vezes não aproveitam todo o potencial em ajudar o próximo e como pequenos gestos podem fazer a diferença na vida de outras pessoas. “Podemos fazê-lo por meio de pequenas atitudes no dia a dia, como um simples abraço ou sorriso. Isso pode fazer a diferença na nossa vida”, conta Pedro Lucas, coordenador geral do [hi] School. “Tentamos passar a importância de ser voluntário em algum projeto social. Queremos que as pessoas sejam melhores, que deixem sua marca”.
 
Pedro explica que um dos focos das palestras é a autoestima, a base para as pessoas serem autoconfiantes e deixarem a insegurança de lado. “O ponto de partida para esse estímulo é mostrar como cada um de nós é único com valores e potenciais próprios”, conta. E completa. “Falamos sobre nossa capacidade de criar coisas do nada e deixar nossa contribuição para sociedade”.
               
Mayara Barreto, 23 anos, estudante de Direito e Agronegócios, fala sobre as mudanças que aconteceram em sua vida após participar de uma das palestras e se tornar voluntária do projeto [hi] School. “A minha ideia ao entrar no grupo era de realmente ajudar o próximo. Com o tempo, vi que na verdade as palestras, os vídeos e as amizades construídas na equipe ajudaram mais a mim mesma do que aquela expectativa inicial que tive”, relata.
 
  Mayara em uma das palestras

Ela conta que o projeto a ajudou a entender melhor suas escolhas. “Posso dizer que hoje consegui estabelecer melhor minhas ideias. Consigo visualizar com mais clareza o que eu quero pra minha vida em relação à carreira profissional, mesmo que não seja aquilo que muitos desejam pra mim, eu sei que é o que eu quero e isso me motiva”. E finaliza. “O projeto me mostrou pessoas que também acreditam que ‘amar ao próximo não é tão démodé, e tenho dito”.

Assim como Mayara, Álvaro Couto, o Alvinho, de 19 anos, é voluntário do projeto há um ano e três meses. “A palestra quebrou alguns paradigmas que eu tinha em relação ao mundo, agora acredito que ele possa mudar para melhor, o que eu não acreditava”. O estudante conta que passou a aproveitar melhor o tempo, se dedica melhor às atividades e passou a sorrir mais para as pessoas para que elas sorriam de volta. “O que a palestra mais colaborou para minha vida foi o fato de reconhecer nas pessoas o que elas representam para mim”.
 
                                                       Alvinho em um momento de descontração
 
As palestras buscam principalmente a mudança comportamental, ou seja, mostrar a importância de estar aberto a receber novidades e se adaptar a elas e principalmente, colocá-las em prática. “Muitos jovens me contam que vão estudar mais e aproveitar melhor o seu tempo, outros começam a praticar algum tipo de trabalho voluntário”, diz Pedro.