quarta-feira, 21 de novembro de 2012

“Aquele que tem caridade no coração tem sempre qualquer coisa para dar”


É exatamente assim que ela pensa. Marina Pontes, 20, estudante de Publicidade, é voluntária do projeto social [hi] School há seis meses e sente que precisa dividir com outros jovens os valores que lhe foram passados por sua família. A jovem, que poderia usar seu tempo para fazer outras coisas, diz que prefere ajudar no projeto. “Eu sempre gostei de trabalhar como voluntária. Já faço isso há alguns anos e sempre gostei de ajudar o próximo. No [hi] School tenho a oportunidade de estar com pessoas da minha idade e trocar experiências com elas”, disse.

O voluntariado é o conjunto de ações de interesse social e comunitário, onde toda a atividade desempenhada é revertida em favor do serviço e do trabalho prestado. É feito sem recebimento de qualquer remuneração ou lucro. Hoje é considerada uma profissão de prestígio, visto que o voluntário ajuda quem precisa, contribuindo para um mundo mais justo e mais solidário.

O trabalho voluntário é exercido de forma séria e, muitas vezes, necessita de especialização e profissionalismo e isso o [hi] School oferece aos seus voluntários. As palestras que são oferecidas pelo projeto são ministradas por seus mais de 60 universitários que doam tempo a ajudar outros jovens e em troca recebem cursos e treinamentos de alto padrão.
 
Pedro Manzur, 22, estudante de Administração, está no projeto há dois anos e afirma que o retorno dos alunos é gratificante. Para ele, a experiência de poder participar do projeto é única. “Eles no procuram depois para agradecer a experiência que tiveram e isso para nós não tem preço”, revelou.

 
Dia Internacional do Voluntário
 
No dia 5 de dezembro é comemorado o Dia Internacional do Voluntário.  E nada melhor do que festejar o dia homenageando aqueles que ajudam a construir um mundo diferente. Por isso, a Trilha realizará nesse dia a entrega do Prêmio SER. “Os voluntários do projeto [hi] School serão premiados em nove categorias diferentes, reconhecendo o trabalho de todos durante o ano”, explica Pedro Manzur. São sete indicados escolhidos pela equipe Trilha em cada categoria, e são os próprios voluntários que votam e elegem os vencedores. “Essa é uma tradição que estamos criando e que começou ano passado” conta.

As categorias são: motivação, oratória, presença, voluntário do ano, suporte, mãos à obra, fotografia, autodesenvolvimento e veterano. “Temos critérios definidos para a escolha dos indicados em cada categoria”, explica o jovem. Na premiação também são apresentados os resultados do ano, fotos e vídeos dos próprios voluntários. A festa acontecerá no dia 5 de dezembro, às 19h, no salão social da Asbac.
O Dia Internacional do Voluntariado foi instituído em 1985 pela Assembleia Geral das Nações Unidas para estimular cada vez mais pessoas a realizarem trabalhos em prol do desenvolvimento econômico e social. O voluntariado cresce a cada dia. Somente no Brasil são mais de 25 milhões de voluntários, segundo dados do programa de Voluntários das Nações Unidas. No mundo são 140 milhões de pessoas engajadas em algum projeto social.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Fazer o bem, sem olhar a quem


“Se você não tem recursos, construa assim mesmo; conte com a sua vontade, faça ações simples e contínuas, e tenha um profundo desejo por mudar para melhor a situação de quem está próximo a você”. Assim pensava Madre Teresa de Calcutá, um exemplo de mulher que viveu 87 anos e dedicou grande parte deles a ajudar os mais necessitados. Mesmo depois de 15 anos de sua morte, deixou por todo mundo seus ensinamentos e sua filosofia de vida que perduram até hoje.

A síntese da história dessa pequena grande mulher nos faz pensar sobre o que queremos para o mundo que vivemos e sobre o que fazemos para mudar o curso de nossa história. É pensar no planeta que deixaremos para as próximas gerações. O legado de Madre Teresa e ações de tantos outros, muitas vezes anônimos, inspiram as pessoas, ações e desejos. É preciso reacender a chama do voluntariado na sociedade, lembrar que o próprio testemunho (comportamento, atitude, conduta, ações e reações) fala mais alto que as palavras. E é esse o objetivo que o projeto social [hi] school - realizado pela Trilha – Cursos e Palestras – têm xdesenvolvido para despertar nos jovens o desejo pela mudança: de pensamento, hábitos, de vida, por meio da palestra “Deixando Marcas”.

Madre Teresa


 
Madre Teresa foi para a Irlanda (1928) estudar no Instituto da Bendita Virgem Maria. Pouco tempo depois embarcou para a Índia onde estudou Enfermagem. Lá, ela morou em favelas onde passou a cuidar dos pobres de Calcutá. Em 1948, ela fundou a Ordem das Missionárias da Caridade e passou a dar assistência aos necessitados como cegos, idosos, leprosos, aleijados e moribundos com a ajuda de voluntários. Por suas várias ações a favor dos excluídos, Madre Teresa recebeu vários prêmios como a medalha do senhor de Lótus (1963) pelo governo indiano. Por seu trabalho, Madre Teresa foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 1975, porém ganhou o prêmio somente quatro anos depois. Papa Paulo VI concedeu à Madre Teresa o primeiro Prêmio João XXIII da Paz em 1971. Depois de um ataque cardíaco em 1983, a saúde da madre foi se debilitando até que, em 1990, ela pediu licença da liderança da congregação. Madre Teresa de Calcutá morreu em 05 de setembro de 1997 em razão de problemas cardiorrespiratórios e foi beatificada pelo Papa João Paulo II em 19 de outubro de 2003.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

[hi] School na FEIRA Capital Estudante


A Trilha – Cursos e Palestras participou entre os dias 16 e 19 de agosto, no Shopping Pátio Brasil, da Feira Capital Estudante. A empresa foi convidada pelo UniCEUB a mostrar seu carro-chefe, o projeto social [hi] school, e também apresentou no palco principal uma das palestras do projeto, a “Deixando Marcas”.
O [hi] School é um projeto social desenvolvido pela Trilha e tem como principal objetivo despertar nos jovens o desejo pela mudança: de pensamento, hábitos, mudança de vida. O projeto [hi] School trabalha a integridade, humildade e transcendência por meio de depoimentos de suas próprias vidas. A missão do projeto é inspirar os jovens a utilizarem todo o seu potencial, em termos de princípios e valores humanos, como forma de construir um futuro sustentável.


Fernando Duarte, diretor da empresa, acredita que estar na feira foi uma oportunidade de expandir o projeto. “A feira nos deu a oportunidade de fazer com que mais pessoas conheçam o [hi] school”, disse. Ele ressalta ainda o retorno do público em relação às palestras. “Após cada palestra, os alunos nos encontram nas redes sociais e curtem nossa página deixando comentários positivos a respeito da experiência que vivenciaram”, conta. Com mais de 20 voluntários espalhados pela feira, o projeto impressionou pela interatividade e conteúdo apresentados.

A apresentação do [hi] school aconteceu no último dia do evento, onde Fernando abordava, como mediador, o tema “deixe sua marca para que o mundo possa se lembrar de você”. Para Maria Fernanda, 19, estudante, a palestra [hi] school desenvolve a inteligência e melhora a autoestima. “Saímos daqui com outra visão de vida, com novos conceitos e valores”, conta. A jovem também enfatizou a importância de projetos como esse serem essenciais na construção de uma sociedade mais justa.
 

Feira Capital Estudante
Aconteceu entre os dias 16 e 19 de agosto, no Shopping Pátio Brasil, e foi oferecida a estudantes de Ensino Médio, pré-vestibulandos e profissionais recém-formados. Seu objetivo foi reunir, no mesmo evento, instituições públicas e privadas de ensino, empresas de capacitação profissional, alunos do Ensino Médio e profissionais recém-formados. Nos quatro dias de evento, o público participou de uma grande experiência e troca de informações sobre educação e mercado de trabalho.

Corrente Solidária


"O que você tem todo mundo pode ter, mas o que você é ninguém pode ser" (Clarice Lispector). Esse é o ponto de partida das palestras motivacionais promovidas pela Trilha, no projeto social [hi] School, que resgatam valores e potenciais únicos de cada jovem do Ensino Médio de escolas públicas e particulares, visando a construção de um mundo melhor.
As palestras levam os participantes a refletirem sobre como muitas vezes não aproveitam todo o potencial em ajudar o próximo e como pequenos gestos podem fazer a diferença na vida de outras pessoas. “Podemos fazê-lo por meio de pequenas atitudes no dia a dia, como um simples abraço ou sorriso. Isso pode fazer a diferença na nossa vida”, conta Pedro Lucas, coordenador geral do [hi] School. “Tentamos passar a importância de ser voluntário em algum projeto social. Queremos que as pessoas sejam melhores, que deixem sua marca”.
 
Pedro explica que um dos focos das palestras é a autoestima, a base para as pessoas serem autoconfiantes e deixarem a insegurança de lado. “O ponto de partida para esse estímulo é mostrar como cada um de nós é único com valores e potenciais próprios”, conta. E completa. “Falamos sobre nossa capacidade de criar coisas do nada e deixar nossa contribuição para sociedade”.
               
Mayara Barreto, 23 anos, estudante de Direito e Agronegócios, fala sobre as mudanças que aconteceram em sua vida após participar de uma das palestras e se tornar voluntária do projeto [hi] School. “A minha ideia ao entrar no grupo era de realmente ajudar o próximo. Com o tempo, vi que na verdade as palestras, os vídeos e as amizades construídas na equipe ajudaram mais a mim mesma do que aquela expectativa inicial que tive”, relata.
 
  Mayara em uma das palestras

Ela conta que o projeto a ajudou a entender melhor suas escolhas. “Posso dizer que hoje consegui estabelecer melhor minhas ideias. Consigo visualizar com mais clareza o que eu quero pra minha vida em relação à carreira profissional, mesmo que não seja aquilo que muitos desejam pra mim, eu sei que é o que eu quero e isso me motiva”. E finaliza. “O projeto me mostrou pessoas que também acreditam que ‘amar ao próximo não é tão démodé, e tenho dito”.

Assim como Mayara, Álvaro Couto, o Alvinho, de 19 anos, é voluntário do projeto há um ano e três meses. “A palestra quebrou alguns paradigmas que eu tinha em relação ao mundo, agora acredito que ele possa mudar para melhor, o que eu não acreditava”. O estudante conta que passou a aproveitar melhor o tempo, se dedica melhor às atividades e passou a sorrir mais para as pessoas para que elas sorriam de volta. “O que a palestra mais colaborou para minha vida foi o fato de reconhecer nas pessoas o que elas representam para mim”.
 
                                                       Alvinho em um momento de descontração
 
As palestras buscam principalmente a mudança comportamental, ou seja, mostrar a importância de estar aberto a receber novidades e se adaptar a elas e principalmente, colocá-las em prática. “Muitos jovens me contam que vão estudar mais e aproveitar melhor o seu tempo, outros começam a praticar algum tipo de trabalho voluntário”, diz Pedro.