quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

[hi] School: onde ser voluntário faz diferença


Rumo ao topo. Essa é a trajetória do projeto “[hi] School”, que transforma o perfil de adolescentes e jovens universitários da capital do país pela determinação e força de vontade.
O projeto [hi] School nasceu da vontade de ajudar as pessoas, da necessidade de despertar nos jovens valores e sentimentos como o amor, integridade, humildade, solidariedade, contribuição, serviço e responsabilidade, visando à construção de um mundo melhor, e tudo isso com o apoio de voluntários.
Será necessário voltar no tempo para entender como eles chegaram aqui. Em 2001, Fernando Duarte, coordenador do projeto, desenvolve a palestra “Deixando Marcas”, com o objetivo de resgatar valores no ambiente de trabalho e melhorar as relações entre as pessoas. Em 2004, ele assume a direção cultural da Organização Não Governamental “Gente Nova” e traz para Brasília o projeto “Congrescuela”, da ONG “Gente Nova” do México. O “Congrescuela” tinha como objetivo apresentar palestras para alunos do 3° ano do Ensino Médio de várias escolas públicas e privadas, sobre assuntos pré-definidos.
Mas, por dificuldades burocráticas, não foi possível realizá-lo da mesma forma em Brasília. Foi então que Fernando Duarte teve a ideia de adaptar a “Deixando Marcas” para o público jovem. Entre 2004 a 2010, mais de 30 mil alunos e mais de 80 escolas puderam assistir às palestras. Em 2007, Fernando deixa a ONG Gente Nova e seu irmão, Thiago Duarte, assume seu lugar, dando continuidade ao projeto “Congrescuela”.
Infelizmente, em 2010, a ONG paralisou suas atividades, retornando um ano depois. Foi quando, em agosto de 2011, com a dedicação dos colaboradores, e muito trabalho, o projeto apresentou sua primeira palestra. Para ter uma ideia da repercussão do projeto, de agosto a dezembro de 2011, foram realizadas 33 palestras em 23 escolas, onde participaram mais de 2.800 alunos, com a colaboração de 20 voluntários.
Já de cara nova em 2012, o [hi] School resolveu inovar criando mais uma palestra, dessa vez voltada para alunos do 2° ano do Ensino Médio, a “Rumo ao topo”. Porém algo inusitado aconteceu, percebeu-se em vários depoimentos de alunos do 3° ano a sugestão que a palestra “Deixando Marcas” deveria ser apresentada também aos alunos do 1° ano. Mais uma vez, o [hi] School deu um passo à frente. As palestras foram divididas da seguinte maneira: “Deixando Marcas” passou a ser a palestra dos alunos de 1° e 3° ano e “Rumo ao topo”, para alunos do 2° ano, agradando a todas as séries do Ensino Médio.
Em 2013, o projeto [hi] School inovará mais uma vez. Será desenvolvida mais uma palestra, que terá como foco alunos do 3° ano. Assim, em 2014, os alunos do Ensino Médio terão a oportunidade de assistir a uma palestra do [hi] Shool em cada ano de ensino.
O sucesso alcançado pelo [hi] School hoje é fruto de muita determinação e força de vontade de seus idealizadores e patrocinadores que investem em conteúdo, material de divulgação e qualificação profissional. Hoje, 60 voluntários se dedicam quase que exclusivamente ao projeto que conta ainda com a indispensável colaboração de seus patrocinadores como UniCEUB, Hightouch, Gráfica Coronário e STAG. Contam também com o apoio da Chilli Beans, Humano Comunicações, Pulso Sonoro e Pennington Audiovisual. 
 
 

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Nossa geração é só o ouro!


No dia 07 de novembro de 2012, na manhã seguinte às eleições presidenciais norte-americanas, a equipe do Projeto [hi] School esteve presente em um dos maiores fóruns de negócio do país, o HSM Expomanagement 2012. Neste evento, a HSM management, empresa organizadora, reuniu grandes expoentes das atuais correntes teóricas relacionadas ao tema. Nomes como Michael Porter, George Bodenhimer, Dom Tapscott, Ram Charan e Dan Arley estavam presentes na lista de palestrantes. 

Um destes grandes nomes me chamou muita atenção: Dom Tapscott! O autor de 13 livros, que é especialista em gerações, trouxe à tona a importância de analisar os relacionamentos e como as gerações interagem e lidam com isso, principalmente a partir da ferramenta mais popular entre nós: a internet. 

Achei interessante o exemplo citado por ele e passei a refletir como isso pode estar ligado à nossa ação voluntária no Projeto [hi] School. Como podemos aplicar determinados pensamentos e provocar mudanças! Já fizemos isso em 2012... Lembram que nós, voluntários, falamos essa palavra, "Mudança!", 86 vezes para 9,6 mil alunos?

Então vejam... Voltemos a Dom Tapscott! Ele afirma que nossa maior ferramenta para atingir este sonho tão distante está literalmente nas palmas de nossas mãos. E então, ele citou o caso de um de seus vizinhos que queria encontrar ouro. Ouro é um dos metais mais raros que existem e, por conta da superestimação do seu valor, não é tão fácil de encontrar! Muitos geólogos, espalhados em todo o mundo, possuem indícios a respeito da localidade desse mineral.

Com o passar do tempo, o vizinho de Dom resolveu criar um grupo na internet para juntar todos os indícios e tentar encontrar este metal tão raro. Após alguns meses de estudos e sondagem, o grupo finalmente conseguiu encontrar uma quantia significativa de ouro e "viveram felizes para sempre..."

Ao terminar de contar a história, me surpreendi porque tudo aquilo reforçava significativamente o poder que os jovens possuem nas mãos, porque a grande maioria domina o uso de algumas redes sociais. Imaginei então... "se sonharmos como o vizinho de Dom, poderíamos fazer acontecer!". Talvez, um grupo com o sonho de tornar o mundo melhor venha a utilizar de maneira colaborativa todo o poder das plataformas sociais que temos acesso. 

Concluindo com “chave de ouro”, Tapscott estabeleceu uma linha entre o aproveitamento dos talentos espalhados por todo o mundo, a emersão da liderança e o uso das plataformas colaborativas como auto organizadas. Assim como os talentos, a liderança pode vir de qualquer lugar. Basta saber identificar. Foi o que, de acordo com o palestrante, Obama fez para vencer as eleições, fez em 2008 e repetiu a receita em 2012.

E é o trabalho que estamos fazendo pelo [hi] School. Temos muitos talentos e algo muito mais caro para explorarmos. E já sabemos o caminho para isso. Precisamos é espalhar esse sentimento que nos cerca ao realizarmos esse trabalho emocionante do projeto e ampliar para mais e mais pessoas, através de nossas redes, nosso sonho de construção de um mundo mais solidário... E então?! Mãos à obra?

Autor: Hugo Portieri Pignatti
 

Festa do [hi] School premia voluntários

Emocionante. Assim pode se definir a entrega do prêmio S.E.R. de voluntariado. A Trilha – Cursos e Palestras ofereceu na noite de quarta-feira (05) um jantar para comemorar o Dia Internacional do Voluntariado. Aproveitando a oportunidade, entregou os prêmios de voluntariado do projeto [hi] school. Foram 10 categorias e sete indicados para cada uma delas. Fernando Duarte, diretor executivo do projeto, foi o mestre de cerimônia do evento que durou cerca de 4 horas. Foram entregues também os certificados de participação no projeto para todos os voluntários inscritos. Os vencedores levaram um troféu, além de um certificado especial.

O voluntário Luan Jorge estava entusiasmado na festa. Ele foi indicado em três categorias do prêmio e levou as três: Maior presença nos eventos, Suporte e Voluntário do ano. O jovem de 25 anos afirmou estar aproveitando a noite na companhia dos amigos e brindando o excelente ano do projeto. Para ele, a experiência de trabalhar pelo [hi] School é indescritível. “Estou muito feliz por estar aqui, por fazer parte desse projeto tão bonito e por receber esses prêmios. O [hi] School mudou minha vida, mudou a forma como vejo o mundo. Hoje, meus princípios, meus valores são outros e agradeço por poder fazer parte disso tudo”.

Luan Jorge


Os vencedores das outras categorias foram: Lucas Amorim, o “Coxinha”, como "Veterano"; Pedro Paulo, o “Pepê”, com "Motivação"; Ana Paula Malmonge, Diego Monte e Sarah Azevedo com "Mãos à Obra"; Marina Pontes com "Fotografia"; Rafael Leão com "Autodesenvolvimento"; Renato Rocha com o "Microfone de Ouro" e Diego Monte, que recebeu também o troféu "Transcendência".

 
 
O coordenador do projeto, Pedro Manzur, agradeceu os voluntários apresentando resultados que superaram todas as expectativas, com o objetivo de incentivar os jovens a investirem ainda mais no [hi] School. Pedro afirma ainda que para 2013 o projeto estenderá suas ações e que voluntários dispostos a ajudar serão sempre bem vindos. “Estamos muito satisfeitos com os resultados desse ano. Conseguimos superar nossas expectativas em todos os sentidos. Em 2013 vamos expandir nossas ações e contamos com ajuda de todos os voluntários para alcançarmos nossos objetivos”. 

 

Finalizando o evento, o diretor nacional da Trilha, Fernando Duarte, agradeceu a participação de todos os membros envolvidos no projeto [hi] School em todos os setores, todos os parceiros e voluntários. “Agradeço a confiança das escolas em apostar no nosso projeto. Queremos alcançar ainda mais alunos e não vamos medir esforços para conquistar esses estudantes”.

 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

“Aquele que tem caridade no coração tem sempre qualquer coisa para dar”


É exatamente assim que ela pensa. Marina Pontes, 20, estudante de Publicidade, é voluntária do projeto social [hi] School há seis meses e sente que precisa dividir com outros jovens os valores que lhe foram passados por sua família. A jovem, que poderia usar seu tempo para fazer outras coisas, diz que prefere ajudar no projeto. “Eu sempre gostei de trabalhar como voluntária. Já faço isso há alguns anos e sempre gostei de ajudar o próximo. No [hi] School tenho a oportunidade de estar com pessoas da minha idade e trocar experiências com elas”, disse.

O voluntariado é o conjunto de ações de interesse social e comunitário, onde toda a atividade desempenhada é revertida em favor do serviço e do trabalho prestado. É feito sem recebimento de qualquer remuneração ou lucro. Hoje é considerada uma profissão de prestígio, visto que o voluntário ajuda quem precisa, contribuindo para um mundo mais justo e mais solidário.

O trabalho voluntário é exercido de forma séria e, muitas vezes, necessita de especialização e profissionalismo e isso o [hi] School oferece aos seus voluntários. As palestras que são oferecidas pelo projeto são ministradas por seus mais de 60 universitários que doam tempo a ajudar outros jovens e em troca recebem cursos e treinamentos de alto padrão.
 
Pedro Manzur, 22, estudante de Administração, está no projeto há dois anos e afirma que o retorno dos alunos é gratificante. Para ele, a experiência de poder participar do projeto é única. “Eles no procuram depois para agradecer a experiência que tiveram e isso para nós não tem preço”, revelou.

 
Dia Internacional do Voluntário
 
No dia 5 de dezembro é comemorado o Dia Internacional do Voluntário.  E nada melhor do que festejar o dia homenageando aqueles que ajudam a construir um mundo diferente. Por isso, a Trilha realizará nesse dia a entrega do Prêmio SER. “Os voluntários do projeto [hi] School serão premiados em nove categorias diferentes, reconhecendo o trabalho de todos durante o ano”, explica Pedro Manzur. São sete indicados escolhidos pela equipe Trilha em cada categoria, e são os próprios voluntários que votam e elegem os vencedores. “Essa é uma tradição que estamos criando e que começou ano passado” conta.

As categorias são: motivação, oratória, presença, voluntário do ano, suporte, mãos à obra, fotografia, autodesenvolvimento e veterano. “Temos critérios definidos para a escolha dos indicados em cada categoria”, explica o jovem. Na premiação também são apresentados os resultados do ano, fotos e vídeos dos próprios voluntários. A festa acontecerá no dia 5 de dezembro, às 19h, no salão social da Asbac.
O Dia Internacional do Voluntariado foi instituído em 1985 pela Assembleia Geral das Nações Unidas para estimular cada vez mais pessoas a realizarem trabalhos em prol do desenvolvimento econômico e social. O voluntariado cresce a cada dia. Somente no Brasil são mais de 25 milhões de voluntários, segundo dados do programa de Voluntários das Nações Unidas. No mundo são 140 milhões de pessoas engajadas em algum projeto social.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Fazer o bem, sem olhar a quem


“Se você não tem recursos, construa assim mesmo; conte com a sua vontade, faça ações simples e contínuas, e tenha um profundo desejo por mudar para melhor a situação de quem está próximo a você”. Assim pensava Madre Teresa de Calcutá, um exemplo de mulher que viveu 87 anos e dedicou grande parte deles a ajudar os mais necessitados. Mesmo depois de 15 anos de sua morte, deixou por todo mundo seus ensinamentos e sua filosofia de vida que perduram até hoje.

A síntese da história dessa pequena grande mulher nos faz pensar sobre o que queremos para o mundo que vivemos e sobre o que fazemos para mudar o curso de nossa história. É pensar no planeta que deixaremos para as próximas gerações. O legado de Madre Teresa e ações de tantos outros, muitas vezes anônimos, inspiram as pessoas, ações e desejos. É preciso reacender a chama do voluntariado na sociedade, lembrar que o próprio testemunho (comportamento, atitude, conduta, ações e reações) fala mais alto que as palavras. E é esse o objetivo que o projeto social [hi] school - realizado pela Trilha – Cursos e Palestras – têm xdesenvolvido para despertar nos jovens o desejo pela mudança: de pensamento, hábitos, de vida, por meio da palestra “Deixando Marcas”.

Madre Teresa


 
Madre Teresa foi para a Irlanda (1928) estudar no Instituto da Bendita Virgem Maria. Pouco tempo depois embarcou para a Índia onde estudou Enfermagem. Lá, ela morou em favelas onde passou a cuidar dos pobres de Calcutá. Em 1948, ela fundou a Ordem das Missionárias da Caridade e passou a dar assistência aos necessitados como cegos, idosos, leprosos, aleijados e moribundos com a ajuda de voluntários. Por suas várias ações a favor dos excluídos, Madre Teresa recebeu vários prêmios como a medalha do senhor de Lótus (1963) pelo governo indiano. Por seu trabalho, Madre Teresa foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 1975, porém ganhou o prêmio somente quatro anos depois. Papa Paulo VI concedeu à Madre Teresa o primeiro Prêmio João XXIII da Paz em 1971. Depois de um ataque cardíaco em 1983, a saúde da madre foi se debilitando até que, em 1990, ela pediu licença da liderança da congregação. Madre Teresa de Calcutá morreu em 05 de setembro de 1997 em razão de problemas cardiorrespiratórios e foi beatificada pelo Papa João Paulo II em 19 de outubro de 2003.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

[hi] School na FEIRA Capital Estudante


A Trilha – Cursos e Palestras participou entre os dias 16 e 19 de agosto, no Shopping Pátio Brasil, da Feira Capital Estudante. A empresa foi convidada pelo UniCEUB a mostrar seu carro-chefe, o projeto social [hi] school, e também apresentou no palco principal uma das palestras do projeto, a “Deixando Marcas”.
O [hi] School é um projeto social desenvolvido pela Trilha e tem como principal objetivo despertar nos jovens o desejo pela mudança: de pensamento, hábitos, mudança de vida. O projeto [hi] School trabalha a integridade, humildade e transcendência por meio de depoimentos de suas próprias vidas. A missão do projeto é inspirar os jovens a utilizarem todo o seu potencial, em termos de princípios e valores humanos, como forma de construir um futuro sustentável.


Fernando Duarte, diretor da empresa, acredita que estar na feira foi uma oportunidade de expandir o projeto. “A feira nos deu a oportunidade de fazer com que mais pessoas conheçam o [hi] school”, disse. Ele ressalta ainda o retorno do público em relação às palestras. “Após cada palestra, os alunos nos encontram nas redes sociais e curtem nossa página deixando comentários positivos a respeito da experiência que vivenciaram”, conta. Com mais de 20 voluntários espalhados pela feira, o projeto impressionou pela interatividade e conteúdo apresentados.

A apresentação do [hi] school aconteceu no último dia do evento, onde Fernando abordava, como mediador, o tema “deixe sua marca para que o mundo possa se lembrar de você”. Para Maria Fernanda, 19, estudante, a palestra [hi] school desenvolve a inteligência e melhora a autoestima. “Saímos daqui com outra visão de vida, com novos conceitos e valores”, conta. A jovem também enfatizou a importância de projetos como esse serem essenciais na construção de uma sociedade mais justa.
 

Feira Capital Estudante
Aconteceu entre os dias 16 e 19 de agosto, no Shopping Pátio Brasil, e foi oferecida a estudantes de Ensino Médio, pré-vestibulandos e profissionais recém-formados. Seu objetivo foi reunir, no mesmo evento, instituições públicas e privadas de ensino, empresas de capacitação profissional, alunos do Ensino Médio e profissionais recém-formados. Nos quatro dias de evento, o público participou de uma grande experiência e troca de informações sobre educação e mercado de trabalho.

Corrente Solidária


"O que você tem todo mundo pode ter, mas o que você é ninguém pode ser" (Clarice Lispector). Esse é o ponto de partida das palestras motivacionais promovidas pela Trilha, no projeto social [hi] School, que resgatam valores e potenciais únicos de cada jovem do Ensino Médio de escolas públicas e particulares, visando a construção de um mundo melhor.
As palestras levam os participantes a refletirem sobre como muitas vezes não aproveitam todo o potencial em ajudar o próximo e como pequenos gestos podem fazer a diferença na vida de outras pessoas. “Podemos fazê-lo por meio de pequenas atitudes no dia a dia, como um simples abraço ou sorriso. Isso pode fazer a diferença na nossa vida”, conta Pedro Lucas, coordenador geral do [hi] School. “Tentamos passar a importância de ser voluntário em algum projeto social. Queremos que as pessoas sejam melhores, que deixem sua marca”.
 
Pedro explica que um dos focos das palestras é a autoestima, a base para as pessoas serem autoconfiantes e deixarem a insegurança de lado. “O ponto de partida para esse estímulo é mostrar como cada um de nós é único com valores e potenciais próprios”, conta. E completa. “Falamos sobre nossa capacidade de criar coisas do nada e deixar nossa contribuição para sociedade”.
               
Mayara Barreto, 23 anos, estudante de Direito e Agronegócios, fala sobre as mudanças que aconteceram em sua vida após participar de uma das palestras e se tornar voluntária do projeto [hi] School. “A minha ideia ao entrar no grupo era de realmente ajudar o próximo. Com o tempo, vi que na verdade as palestras, os vídeos e as amizades construídas na equipe ajudaram mais a mim mesma do que aquela expectativa inicial que tive”, relata.
 
  Mayara em uma das palestras

Ela conta que o projeto a ajudou a entender melhor suas escolhas. “Posso dizer que hoje consegui estabelecer melhor minhas ideias. Consigo visualizar com mais clareza o que eu quero pra minha vida em relação à carreira profissional, mesmo que não seja aquilo que muitos desejam pra mim, eu sei que é o que eu quero e isso me motiva”. E finaliza. “O projeto me mostrou pessoas que também acreditam que ‘amar ao próximo não é tão démodé, e tenho dito”.

Assim como Mayara, Álvaro Couto, o Alvinho, de 19 anos, é voluntário do projeto há um ano e três meses. “A palestra quebrou alguns paradigmas que eu tinha em relação ao mundo, agora acredito que ele possa mudar para melhor, o que eu não acreditava”. O estudante conta que passou a aproveitar melhor o tempo, se dedica melhor às atividades e passou a sorrir mais para as pessoas para que elas sorriam de volta. “O que a palestra mais colaborou para minha vida foi o fato de reconhecer nas pessoas o que elas representam para mim”.
 
                                                       Alvinho em um momento de descontração
 
As palestras buscam principalmente a mudança comportamental, ou seja, mostrar a importância de estar aberto a receber novidades e se adaptar a elas e principalmente, colocá-las em prática. “Muitos jovens me contam que vão estudar mais e aproveitar melhor o seu tempo, outros começam a praticar algum tipo de trabalho voluntário”, diz Pedro.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

[hi]School andou de avião!




O dia 13 de junho de 2012 foi super especial para o [hi]School. Pela primeira vez na nossa história tivemos a oportunidade de realizar em São Paulo a palestra Deixando Marcas. O evento ocorreu na Escola Estadual João Amos Comenius e confesso que estávamos um pouco apreensivos com a possível reação do público de uma outra região e de realidade diferente da que estamos acostumados em Brasília. Adivinha o resultado: sucesso total!
Foram realizadas três palestras, sendo uma pela manhã e duas a noite, contemplando 262 alunos do Ensino Médio. Ficamos muito felizes com a participação e receptividade dos jovens. Além disso, a média das avaliações das palestras foram, respectivamente, 9,51, 9,70 e 9,52 -- algumas das maiores médias que já obtivemos na nossa história! Isso comprovou que o Projeto [hi]School tem um potencial gigantesco de expansão para outros estados. No entanto, um passo de cada vez.
Por enquanto, estamos planejando um início oficial do projeto na capital paulista em 2013 e, claro, isso depende dos apoios e patrocínios que conseguirmos prospectar por lá. Torçam por nós, e para que mais jovens desse nosso Brasil possam ser inspirados a construírem um mundo melhor.
Não podemos deixar de agradecer a incrível receptividade da escola, do Diretor João Cavallaro e de toda a equipe pedagógica. Importantíssimo destacar que essa iniciativa só foi possível graças ao patrocínio da Tozzini Freire Advogados. Portanto, um super obrigado a eles, em especial ao Sr. José Augusto, nosso embaixador junto aos sócios do escritório, e à Bruna Marastoni, que nos recebeu, acompanhou, nos deu carona e comida e foi uma super voluntária! =D
Um agradecimento especial a todos os alunos que nos assistiram em Sampa, pela receptividade, participação e calor humano! Vcs são lindos! ;)
Salve [hi]School!
Pedro Lucas Vieira Manzur
Coordenador Geral [hi]School
Fernando Fernandes Duarte
Fundador [hi]School

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Tia Iete






[hi] Galera!

Em nossas palestras, buscamos sempre levar os jovens a refletirem sobre as pessoas que marcaram suas vidas e quais marcas essas pessoas deixaram. Invariavelmente, os alunos que nos dão a honra de sua participação revelam que o que os marca de fato são valores universais: coragem, perseverança, humildade, amor, honestidade... Claro, sempre há aqueles divertidos indivíduos que dizem terem sido marcados por chineladas, palmadas, cintadas... hahahaha! Esse bom humor sempre contribui para o clima dos eventos!

Brincadeiras à parte, um dos exemplos que fortalecem essa mensagem é quando nos damos conta de que muitas vezes não lembramos quem foram as pessoas consideradas mais ricas ou mais bonitas do mundo no ano passado, mas nunca nos esquecemos do(a) professor(a) que nos alfabetizou há 10, 15 ou 30 anos. Por isso, as palestras do dia 10/05/2012, no Colégio Marista Champagnat, em Taguatinga, tiveram um gosto especialíssimo para mim: foi lá que, em 1996, a Tia Iete me ensinou a ler e a escrever, a somar e a subtrair.

Me lembro, como se fosse ontem, do aspecto da sala de aula, dos coleguinhas que estudavam comigo (alguns são meus melhores amigos até hoje!). Lembro até mesmo da voz da Tia Iete, e de como ela nos ensinou a “desenhar” cada letrinha, maiúsculas e minúsculas (para escrever o “a” a gente tinha que tentar desenhar o rosto de uma menininha!). Hoje, percebo a importância que a didática dessa professora teve na minha formação e na minha vida.

Queria poder entregar uma fitinha [hi] pra ela e dizer que a marca que ela me deixou foi a do Reconhecimento! =) Um dia eu terminei de copiar a matéria do quadro antes dos outros alunos e fiquei quietinho, acho que eu estava triste, não lembro o porquê. Mas lembro que ela percebeu, e me deixou ir para o recreio antes de todo mundo. Aquilo para mim foi um prêmio gigantesco! Imagina? Cinco minutos a mais para brincar! Acima de tudo, senti que meu comportamento foi valorizado, e dali em diante percebi que se eu respeitasse meus professores, eles me respeitariam de volta. Percebi como é importante reconhecer e ser reconhecido.

Hoje, queria fazer um agradecimento para os alunos super receptivos do Colégio Marista Champagnat, em especial àqueles que cantaram no Momento Ídolos com a gente (foi fera!).

Agradeço também a todos os professores que deixam marcas em nossas vidas, e merecem todo o reconhecimento do mundo, em especial a você Tia Iete. Onde quer que esteja, saiba que deixou uma marca na minha vida e que em todas as palestras eu me lembro da minha professora do primário.

Um forte abraço,

Pedro Lucas Vieira Manzur
Coordenador Geral do Projeto [hi]School

domingo, 6 de maio de 2012

Palestra + Homenagem





No dia 27 de abril de 2012, o Projeto [hi]School embarcou no Colégio Objetivo da 913 sul. Mesmo com um público pequeno, o grupo não deixou de transmitir uma energia positiva e deixar uma marca tão importante na vida desses alunos. Começando a palestra, os alunos aparentavam estar bastante empolgados! Mas o que mais me chamou atenção mesmo foi a emoção de muitos deles ao falar das pessoas que deixaram marcas em suas vidas. Essa é uma parte que mexe bastante com o público, pois é a hora em que eles se lembram, e alguns colocam para fora, daqueles que tiveram uma importância muito grande para eles. Nada mais emocionante do que ver as lágrimas de emoção, e o reconhecimento dos alunos de que valem muito mais a amizade, o amor e o companheirismo, por exemplo, do que dinheiro ou fama. É aí que o nosso peito se enche mais ainda de felicidade, pois sabemos que nossa mensagem alcançou o seu objetivo.

No final da palestra, pude notar a expressão dos alunos e percebi que eles tinham saído dali, assim como eu, com a mensagem “eu posso ser diferente” na cabeça. É maravilhoso pensar que muitos a partir daquele momento vão realmente deixar suas melhores marcar no mundo.

Aproveitando a deixa, gostaria também de parabenizar os novos voluntários que tiveram suas primeiras experiências como palestrantes nessas últimas semanas. Aê Natália de Oliveira, Natália Ritter, Alvinho Couto, Irlon Junior, Aurélio Fagundes, Renato Rocha, Luan Jorge e Roger Santullo: vocês foram incríveis e tenho certeza que deixaram marcas em nós e nos alunos. Parabéns! :)

Um grande abraço,

Diego Lucena
Voluntário [hi]School

domingo, 22 de abril de 2012

Palestra no Colégio Militar - 12/04/2012




Está oficialmente aberta a temporada de palestras 2012 do Projeto [hi]School! =)

No dia 12/04, 27 voluntários estavam no auditório do Colégio Militar de Brasília para apresentar a palestra Deixando Marcas para 442 alunos do 3º ano.

Então lá estava eu para ajudar a passar a mensagem da palestra para aqueles alunos. E com o objetivo maior de fazer com que eles saíssem dali realmente motivados a serem pessoas melhores e a reconhecerem aqueles que fazem a diferença em suas vidas diariamente.

E estar lá como voluntário tinha um gostinho especial para mim, que me formei naquela mesma escola dois anos atrás! Estar novamente naquele auditório, onde tantas vezes entrei para assistir palestras, me fez ficar ainda mais animado para a palestra que iria começar em instantes.

E nada foi mais animador do que ver logo de cara os resultados nos alunos. Durante o evento, foi emocionante ver que o que era falado no palco tinha um efeito na plateia. Ver os alunos expressarem reconhecimento pelo que era falado foi uma experiência única. Vê-los emocionados e felizes por estarem ali foi indescritível.. Nossa mensagem tinha alcançado os alunos! o/

No final, pude participar da despedida dos alunos que tinham assistido à palestra e, comparando com a chegada deles, percebi que mesmo aqueles que  no início estavam desanimados com a ideia de assistir a apenas “mais uma palestra”, tinham na hora de voltar à aula elogios e sorrisos nos rostos!

Isso, além de provar o quão especial a palestra Deixando Marcas é, significa também para o voluntário um sinal de missão cumprida e um grande incentivo para fazermos cada vez melhor para os próximos 12 mil alunos que nos esperam ao longo desse ano!

Até a próxima!

Irlon Junior
Voluntário [hi]School

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Para refletir...



Esses dias fiquei sabendo de uma história um tanto quanto comovente que me foi contada por uma colega. Estávamos conversando sobre vestibular, resultados, como foi o início na faculdade e tals e ela me contou o seguinte caso: no dia em que foram dar as boas vindas aos calouros do semestre dela (ele era uma das calouras), uma das aprovadas não estava presente, mas os pais dela estavam. Num certo momento da recepção, os pais dessa garota pediram para falar um pouco e contaram que estavam ali para homenageá-la, porque sua filha há um ano lutava pela vaga na Universidade e, finalmente, havia conseguido colocar seu nome no mural dos aprovados. No entanto, ela nunca teria sua primeira aula, pois tinha falecido em um acidente de carro na volta de uma viagem de férias.

Os pais dessa menina, então, fizeram um pedido para aqueles que teriam a sorte e o prazer de vivenciar a universidade: que fizessem isso com toda a vontade e alegria do mundo, que aproveitassem a oportunidade que estavam tendo e que valorizassem cada minuto ali dentro, pois muitos queriam poder estar no lugar deles, mas por um motivo ou outro não poderiam.

Não sei se preciso fazer algum outro comentário sobre esse fato. Apenas gostaria de falar para pensarmos um pouco antes de reclamarmos da vida, pois, muitas vezes, temos em nossas mãos uma oportunidade que muitos gostariam de ter e não damos o devido valor.

Maurício Cardoso
Voluntário [hi]School

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Por que as pessoas entram em nossas vidas?


Vivemos em sociedade, e um ser humano necessita do outro para sobreviver. Desde muito cedo aprendemos a conviver com outras pessoas, a nos comunicar, a interagir. Desse ciclo, surge um relacionamento, uma amizade, um vínculo que, imperceptivelmente, vivemos para manter. Mas essas coisas passam, existem outras sete bilhões de pessoas para nos fazer companhia. Certo? Não! Errado.
Não é assim que a banda toca. Muitas vezes as pessoas que deixamos ir são aquelas que nós deveríamos dar mais valor. Será que algum dia paramos para pensar sobre as pessoas que valorizamos? Será que elas são realmente as que deveriam ser valorizadas? Pense bem! Amigo não é aquele que te liga no meio da madrugada pedindo carona porque está bêbado. Não é aquele que te chama de "brother" só quando precisa de algo. Não é aquele que só fala com você quando você está bem vestido. Amigo é aquele que não pede nada em troca pela sua amizade, ele simplesmente gosta de você pelo que você é. Infelizmente, é exatamente essa pessoa que acabamos perdendo, por um simples motivo: somos preparados instintivamente para lidar com o pior do mundo e com o pior das pessoas. Damos tanta importância aos problemas que acabamos esquecendo que para todos eles existe uma solução. 
Silenciosamente nos deparamos com a saudade, e então decidimos mudar nossas atitudes para não perdermos mais uma pessoa, mas o buraco da saudade não é preenchido. Não deixemos que o nosso coração pareça um queijo suíço! Isso fará com que nós sejamos pessoas vazias e solitárias, e aquelas sete bilhões de pessoas jamais poderão substituir as que deixamos ir.
Valorizemos a simplicidade das pessoas e do mundo, e olhemos sempre para o para-brisa, nunca para o retrovisor. Aquilo que tem valor é aquilo que tira um sorriso sincero e inesperado de nossos lábios, não o que aturamos por uma "boa convivência". Família: valorize-a, é o único amor que nunca morre. Amizade: quando verdadeira, é como se ela fosse uma segunda família. Simplicidade: está em todo lugar, o nosso dever não é vê-la, é enxergá-la. Vida: só temos uma, precisamos nos surpreender a cada dia.
Valorizar quem deve ser valorizado é algo simples, basta abrirmos nossos olhos e nosso coração pra tudo aquilo que nos faz feliz.


Grande abraço, 


Itamara Cunha
Voluntária [hi]School

terça-feira, 3 de abril de 2012

A Partida




Galera, 

Essa semana vi um filme um pouco fora do comum. É um filme japonês que se chama A Partida. Ele conta a história de um jovem que começa a trabalhar como nokanshi, uma espécie de agente funerário. Diferentemente do que acontece aqui no Brasil, esse jovem é responsável por preparar o corpo da pessoa que morreu para que ela possa entrar no outro mundo, agindo como um guardião entre a vida e a morte. Esse ritual é feito na frente de todos os familiares do morto e é um momento de despedida e reflexão. No entanto, seu trabalho é desprezado pelas pessoas que o rodeiam, pois elas ignoram a importância do trabalho e não veem com bons olhos quem manuseia cadáveres. O interessante é que é por meio da morte que ele começa a descobrir o verdadeiro sentido da vida. 

Como eu disse, é um filme bastante incomum, mas que trata muito bem sobre respeito, sobre o respeito aos costumes e sobre valores familiares, além de ser um filme muito bonito e tocante. Vale a pena conferir!

Abraços, 

Maurício Cardoso
Voluntário [hi]School

segunda-feira, 26 de março de 2012

Nunca é tarde...



Alguns de você já devem ter visto esse filme, mas fiquei emocionado ao vê-lo e não pude deixar de colocá-lo aqui.


Essa senhora, Janey Cutler, dá uma grande lição de vida. Primeiramente, porque ela teve coragem (muita coragem!) para subir em um palco, com tanta gente olhando para ela, e ainda três jurados que a estavam avaliando. Segundo, porque ela não se intimidou com os olhares de repreensão dos jurados e os barulhos de chacota da plateia. E, por último, porque ela surpreendeu a todos com seu "belo par de pulmões".

Janey nos mostra que nunca é tarde para fazermos aquilo que gostamos e que não devemos desistir por causa dos comentários, olhares e julgamentos de outras pessoas. Sem falar que ela não se deixou abater pela pré-concepção de todos ao seu respeito e quanto ao seu talento. Ela simplesmente fez o que tinha se proposto a fazer (e impressionou a todos).

Além de tudo isso, ela ainda termina com uma frase que me tocou profundamente. Ao ser perguntada porque demorou tanto para fazer isto, ela apenas respondeu: "Só estou agradecida de poder estar aqui esta noite!". Ou seja, o que importava era o momento e que ela estava feliz em fazer isso, estava realizada!

Ah, e nem preciso dizer que ela fez o que fez com muita simpatia e bom humor.


Abraços, 

Maurício Q. Cardoso
Voluntário [hi]School

quinta-feira, 8 de março de 2012

Dia Internacional da Mulher



Ao longo dos anos, o dia 8 de março vem sendo marcado por essa comemoração, geralmente com rosas vermelhas e pequenos mimos. Mas será que foi esse o objetivo da criação desse marco?

Olhando a história, podemos lembrar-nos dos movimentos feministas que lutavam por mais dignidade para as mulheres e por sociedades mais justas e igualitárias na década de 60. Até antes disso, temos, na época da Revolução Industrial, as lutas por melhores condições de trabalho, acesso à cultura e igualdade dos sexos.

O DIA DA MULHER já havia sido celebrado nos primeiros anos do século XX, tendo sido esquecido por um longo tempo e posteriormente recuperado no contexto do movimento feminista. Só em 1975, as Nações Unidas promoveram o Ano Internacional da Mulher e, em 1977, proclamaram o dia 8 de Março como o Dia Internacional da Mulher.

Na história da mulher brasileira, é memorável a nossa conquista do direito ao voto, em 1932, após muitos anos de luta e protestos. Por todo o mundo, há muitas mulheres que contribuíram por uma sociedade mais igualitária e DEIXARAM SUA MARCA no mundo, e por isso são lembradas até hoje. Uma delas, inclusive, é a nossa Madre Teresa que citamos nas nossas palestras por seus feitos tão incríveis.

Parabéns mulheres pelo nosso dia! Em especial para a minha mãe e para todas as nossas voluntárias.

Um abraço, 

Gabriela Pontes
Coordenadora de Voluntários do Projeto [hi]School

segunda-feira, 5 de março de 2012

O Clube do Imperador





Oi Pessoal,

Vocês já viram o filme O Clube do Imperador? Usamos um trecho dele na palestra e um dia desses vi o filme todo com os voluntários. 

Uma cena me chamou muito a atenção: http://www.youtube.com/watch?v=FGmK59lqRWo

Nessa cena, um aluno fala ao seu professor que não se importa com os valores, com o caráter e nem com os outros. Ele fala que faz tudo pelo poder, mesmo que para isso tenha que passar por cima dos outros. Só que, nessa hora, ele vê que seu filho estava escutando tudo. O aluno fica visivelmente constrangido e envergonhado e sai atrás dele. 
Agora, eu pergunto: será que se ele não se importasse mesmo com os valores, com a ética e tudo mais, ele se envergonharia do filho? Será que ele vai ensiná-lo a ser assim também? 
Devemos sempre nos preocupar com quais marcas deixamos nos nossos filhos. Devemos dar motivos para que eles se orgulhem de nós, e não fazer algo que nos envergonhe diante deles!

Maurício Q. Cardoso
Voluntário [hi]School

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O que faz a escola?


Bem que dizem que palavras nem sempre expressam o que sentimos ou o que pensamos. Porque qual você usaria para expressar isso que você sentiu quando viu essa foto? Nem eu saberia dizer... Acho que quando eu vi essa imagem, a única coisa que me veio à cabeça foi “Caracas!”.  Meio quadro-negro e uma penca de crianças sentadas no chão. Isso é a escola deles. E pensar que muitas vezes a gente acha que tem pouco né?!
Eu quis postar essa imagem aqui para que pudéssemos refletir sobre o que realmente faz a escola. São os quadros ultramodernos conectados à internet? Ou são a dedicação e o comprometimento daquela pessoa que, mesmo contra todas as adversidades, optou por dedicar seu tempo ensinando aos outros aquilo que ele sabe e aprendeu durante sua vida?
Na nossa palestra, os estudantes são incentivados a reconhecer o valor de três pessoas que foram ou são importantes em sua vida. Uma delas deve ser um professor ou funcionário da escola. Com esse gesto, esperamos que professores e todos aqueles que contribuem para a educação de nossos adolescentes sejam valorizados e reconhecidos pelo trabalho que exercem. Com essa imagem, eu espero despertar em você um outro olhar sobre o seu professor, sobre a sua escola e sobre o modo como você lida com tudo isso. Nunca é tarde para mudarmos nossas atitudes e só depende de nós mesmos!
Um grande abraço,
Laís Antonietto
Coordenadora de Comunicação do Projeto [hi]School

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Estreia

É uma alegria para nós inaugurarmos nosso blog!

Sejam bem-vindos ao nosso canal de comunicação. Aqui vocês terão acesso a posts dos nossos voluntários e parceiros sobre as temáticas abordadas durante a palestra. Fiquem à vontade para comentar e dividir com a gente as suas experiências.

Só para termos uma noção dos resultados do nosso tão querido projeto em 2011, aí vão alguns números:


Quantidade de escolas visitadas 23
Quantidade de palestras realizadas 33
Quantidade de estudantes contemplados 2800
Quantidade de voluntários no projeto 25


Em nossas avaliações, observamos que 93% dos jovens têm intenção alta ou máxima de aplicar em sua vida pessoal os conhecimentos adquiridos na palestra . Além disso, 83% manifestaram interesse em receber informações sobre trabalho voluntário.

Esses resultados nos deixam super felizes! Essas conquistas não teriam sido possíveis sem a galerinha dessa foto, nosso querido grupo de Voluntários 2011!

Esperamos que no ano de 2012 possamos ver muitas carinhas novas nessa foto!


Um abraço,

Laís Antonietto
Coordenadora de Comunicação

Pedro Manzur
Diretor Regional